Como Fazer um Empréstimo Pessoal com Segurança?

9.12.2019 (Tempo de leitura: 10 minutos)

Blog

Muitos acabam contraindo um empréstimo pessoal para simplesmente sair de um aperto momentâneo, mas se esquecem que um dos maiores motivos do endividamento da população são as taxas estratosféricas dos juros nesses empréstimos.

A população, por necessidade de quitar suas contas ou por um descontrole total do orçamento, acaba caindo na armadilha do crédito fácil oferecido em anúncios da internet.

Ou pior ainda, usando o cartão de crédito ou cheque especial, e terminam utilizando esses meios gastando descontroladamente.

Sem dúvida alguma, o crédito pessoal pode ser uma boa saída para quem está prestes a ter seu nome negativado por alguma dívida, mas é de suma importância avaliar a real necessidade de entrar em um empréstimo.

Quando se chega à conclusão que essa é a única alternativa para sair de um aperto, a pessoa deve estudar a fundo as opções existentes no mercado.

É preciso observar o custo da operação e principalmente sua capacidade de pagamento, para não cair em mais uma dívida. Assim, é possível planejar como fazer o pagamento das parcelas no dia combinado e sem estresse.

Tenha definido qual é o objetivo do empréstimo que você vai pedir. É claro que esse dinheiro será destinado ao pagamento de alguma uma dívida que tenha os juros mais altos, a compra de algum bem importante ou alguma situação de emergência.

Pedir um empréstimo não é como comprar uma roupa. É uma situação bastante delicada que deve ser estudada com muita calma para que sua decisão não acabe deixando sua situação ainda pior.

Veja os nossos conselhos para que você possa fazer um empréstimo consciente e seguro dentro das suas possibilidades de pagamento.

1) Faça um levantamento no mercado

Quando a situação de uma pessoa exige que ela tome a decisão de pedir um empréstimo pessoal, seja por causa de dívidas caras, perda de emprego ou mesmo uma situação emergencial, é preciso saber como deve proceder.

Verifique os juros cobrados no mercado, qual seria o custo total do empréstimo, sua capacidade de pagamento e também o dia mais indicado de acordo com seus recebimentos para a quitação das prestações.

Hoje em dia, graças à internet, você poderá encontrar uma variedade enorme de ferramentas com as melhores ofertas do mercado. Poderá pesquisar as taxas de juros e caso tenha um bom score de crédito as taxas poderão ser mais atrativas.

2) Procure empréstimos com custos totais mais baratos

Quando você opta por pedir um empréstimo pessoal com juros mais baixos para quitar outra dívida mais cara, devemos considerar essa decisão uma providência com fundamento.

Sua dívida não ficará menor, porém ela deixará de aumentar tão rápido devido aos juros menores. Um empréstimo pessoal sempre é mais vantajoso em relação a utilizar seu cartão de crédito no sistema de pagamentos parcelados ou mesmo o cheque especial.

É de suma importância que antes de assinar um contrato de empréstimo você tenha todas as informações sobre o pagamento, taxas e principalmente o Custo Efetivo Total (CET) desse empréstimo.

Para chegar ao Custo Efetivo Total do seu empréstimo será preciso saber os impostos referentes a essa operação, taxa abertura de cadastro e seguro. Afinal de contas, não são só os juros que você estará pagando, vários outros custos estarão embutidos na sua prestação.

3) Muito cuidado com os empréstimos online

Tenha sempre muita atenção às taxas milagrosas cobradas por certos aplicativos de empréstimo online.

Não caia em golpes de pessoas mal-intencionadas ou de empresas fantasmas. Infelizmente a internet está repleta de criminosos atrás de dinheiro fácil.

Em hipótese alguma adiante algum valor a título de taxas ou impostos, pois essa não é uma prática corrente do mercado.

Procure saber quem é a financeira ou banco que está fazendo o empréstimo, para que você possa fechar a operação sem qualquer risco. Existem também empresas sérias que oferecem empréstimos online inclusive com calculadoras para que você possa ter uma noção dos custos do mesmo.

4) Leia o contrato com atenção

Claro que é importante você ler o contrato do início até o fim. Ali estarão todas as condições da operação como os reajustes, pagamento antecipado, multas ou cancelamentos. Tendo ciência de tudo você evitará surpresas no futuro.

Evidente que existe a tentação de simplesmente assinar e seguir em frente. Os contratos são padronizados e há uma grande atenção de reguladores para ficar atento a condições abusivas. Mas mesmo com tudo isso, não é melhor ter controle da situação e absoluta certeza do que você assina?

5) Planejamento

Quando uma pessoa opta por fazer um Empréstimo Pessoal ou de qualquer de qualquer outro tipo, ela deve ter conhecimento profundo das suas obrigações financeiras. A parcela do novo empréstimo não deve ser um peso duro de carregar em seu orçamento doméstico.

Faça um planejamento sério e criterioso dessa operação, procurando que a sua parcela mensal não seja superior a 15% da sua renda mensal.

Isso poderá evitar atrasos e as multas sempre pesadas que são cobradas pelas instituições financeiras.

6) Mantenha seu orçamento pessoal organizado

No momento em que você percebe que está precisando de um empréstimo pessoal, isso quer dizer que suas finanças não andam correndo bem. Será necessário fazer uma revisão profunda nos seus gastos e verificar se eles estão compatíveis com o que você ganha.

Segundo o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) o empréstimo pessoal é o maior responsável pelo endividamento das pessoas, seguido pelo crediário em geral e o cartão de crédito.

Grande parte da população não tem o costume de fazer um orçamento doméstico e acabam se endividando na maioria das vezes por motivos totalmente desnecessários, comprando demais ou por impulso.

Conclusão

É claro que o empréstimo pessoal não é um bicho de sete cabeças, eles são muito úteis em situações pontuais e extremamente importantes em casos emergenciais como o de alguma doença na família.

Caso sua situação exija recorrer a um empréstimo pessoal não tenha receio, pois isso não será o fim do mundo. Basta que ele seja feito com conhecimento das condições gerais e dentro de suas possibilidades financeiras.

Gostou deste artigo? Compartilhe com seus amigos

Compartilhe no Facebook

Tem alguma dúvida ou depoimento? Compartilhe nos comentários

Também pode se interessar por