Sou um universitário e preciso de dinheiro: o que fazer?

28.8.2019 (Tempo de leitura: 8 minutos)

Blog

Terminar a escola e entrar na universidade é um grande momento na vida. Estamos falando de um grande passo para a vida adulta, o começo de sua independência e ainda poder estudar o que você escolheu. Mas ao mesmo tempo que tudo isso acontece, você ainda não tem um trabalho ou se tem é um estágio ou um emprego que não remunera tão bem. A carteira continua vazia, certo?

Calma, não é preciso vender um rim para sustentar os rolês e poder comprar roupa e colocar gasolina no carro. É só ter algum planejamento que tudo dará certo. E neste texto vamos te ajudar com isso.

Organize-se antes de tudo

O dinheiro até pode estar chegando em boas quantidades, mas sem organização é provável que ele desça pelo ralo. Por isso, antes de fazer qualquer coisa, é preciso que você faça um bom planejamento.

Quais são seus gastos em um mês? Comece pelos fixos, como aplicativos (Netflix, Spotify), celular, gastos com carro – caso você tenha -, mensalidades de academia, cursos e até a da universidade, caso seja você quem arca com isso. O mesmo vale para aluguel e contas.

A seguir, parta para os gastos mais flexíveis. Saídas para restaurantes, bares e festas, viagens com os amigos e tudo que pode ter um mês e não ter, ou não ter tanto, em outro.

Ter a ciência de quanto são seus gastos por mês faz o trabalho de “quanto eu preciso para me sustentar?” ser válido e melhor planejado. E assim sua vida financeira fica melhor.

Outro ponto muito importante é começar a pensar em uma estrutura financeira. O passo inicial é abrir uma conta no banco e as instituições costumam ser mais camaradas com quem está nesse momento. A conta universitária pode trazer alguns benefícios em taxas e até nos juros em alguns casos. Pesquise qual banco oferece o melhor pacote.

Aqui chega a parte do dinheiro

Depender dos pais é uma necessidade muitas vezes, mas é muito melhor ter a sua própria grana para tomar suas decisões e comprar suas coisas. Claro que isso nem sempre é possível para fechar o orçamento do mês, mas aqui vamos desconsiderar essa grana dada.

Primeiro de tudo, caso você tenha que pagar a mensalidade da faculdade privada, tente conseguir uma bolsa de estudos junto à instituição, uma prática que é bastante comum. Outra possibilidade é tentar pelo programa do governo, o ProUni.

A possibilidade de fazer uma pesquisa acadêmica e assim conseguir um financiamento também existe. Procure por essa possibilidade na secretaria de sua universidade.

O caminho mais tradicional usado pelos estudantes universitários é o estágio ou um trabalho remunerado que não ocupe oito horas por dia. Dependendo do curso, ele só pode ser iniciado do meio para o fim, mas há pessoas que começam ele logo no segundo ou terceiro semestre.

Aqui cabe a cada pessoa definir a prioridade: se o curso está puxado e fazer um estágio pode prejudicar seu desempenho, é melhor procurar outra opção. Se você tem horas sobrando no dia e existe a possibilidade de conseguir trabalhar, então se jogue. Muitas faculdades fazem o meio de campo entre empresas e os alunos, então procure em murais, na coordenação de seu curso ou até com colegas de turmas acima da sua.

Outras vias que podem ser interessantes

As empresas no mundo inteiro estão investindo em equipes de trabalho remoto para conferir maior agilidade nos processos. Com isso, sites de freelancers como Upwork e Freelancer ganham cada vez mais espaço e a atenção de empresas grandes.

Mas não são só elas que empregam. Empresas de pequeno porte que precisam de um trabalho feito sem ter que contratar alguém. E até pessoas que querem uma tradução, aula de língua por Skype, uma arte no Photoshop e muitas outras necessidades. Caso você tenha o conhecimento para oferecer algum serviço do gênero, é interessante pesquisar e ver esse potencial.

Você nem precisa apelar para uma empresa do exterior ou site de freelancers. As próprias redes sociais hoje são uma mão na roda para espalhar uma mensagem e fazer propaganda do que você oferece. Desde brigadeiro a marmitas, passando por ajuda a mexer no computador, uma mão para mudanças e organização da casa ou até vender roupa que você não usa mais. Tudo é possível e o céu é o limite.

O importante é ter pelo menos uma renda extra para pagar os pequenos gastos ou então ajudar com o custo da universidade e seu estilo de vida.

Tome cuidado com alguns passos

Estes são os seus primeiros passos como adulto e por isso é comum que uma tropeçada ou outra role. O importante é não se enfiar em um buraco e aprender com esses erros.

- Controle a empolgação: festas são legais e receber os amigos em casa, caso você não viva com os pais, mais ainda. Mas os gastos são altos. E isso sem controle pode fazer seu dinheiro do mês acabar no dia 15.

- Comer fora é um luxo: o bandejão é uma mão na roda, mas fora isso, comer fora custa caro. Saber pilotar o fogão e fazer algo melhor que um miojo pode ser saboroso, mais barato e ainda impressionar alguém.

- Olho nos financiamentos e empréstimos: eles podem ser uma boa para quem precisa de uma folga no orçamento, mas como você não tem tantas garantias e renda, podem vir acompanhado de juros altos. Confere bem as condições e use um comparador online para fazer o melhor negócio.

- Poupe onde der: começar a investir pode ser um sonho distante. Então poupe pelo menos para emergências, como um custo mais alto com livros, para comprar um computador novo ou caso você perca seu freela ou estágio.

Com planejamento, não jogando dinheiro no lixo e uma renda boa para pelo menos pagar algumas contas e os seus rolês, a universidade tem tudo para ser um dos melhores momentos da sua vida. Não deixe o dinheiro tirar a alegria dessa época.

Gostou deste artigo? Compartilhe com seus amigos

Compartilhe no Facebook

Tem alguma dúvida ou depoimento? Compartilhe nos comentários

Também pode se interessar por